o grito da poesia contra a opressão

freedom-of-expression.jpg

A Fundação Peter Weiss for Art and Politics tem vindo a promover uma leitura colectiva, à escala global, de poemas de autores do Zimbabwe em espaços públicos, nas rádios locais e nacionais. Em Lisboa, a cantora Luanda Cozetti (Couple Coffee), o performer Nástio Mosquito, Tiago Gomes (editor da revista Bíblia), a actriz argentina Belén, o actor Meirinho e a cantora Danae participam no evento que decorre na Ler Devagar na próxima 4ª feira, 12 de Setembro pelas às 21h30.

Lisboa propõe a leitura de poemas de autores zimbabueanos, como Chenjerai Hove, Chirikuré Chirikuré e Dumbudzo Marecharas, e de outros países, como Mia Couto (Moçambique) e João Cabral de Melo Neto (Brasil). Será ainda realizada uma “campanha verde” nos jardins da cidade: nos ramos das árvores vão ser presos poemas do Zimbabué com uma breve explicação do evento e do seu enquadramento. Mais de 50 países confirmaram já a sua participação, bem como os escritores John Ashbery, Jon Fosse, Margaret Atwood, Alessandro Baricco, John M. Coetzee, Don DeLillo, Nadine Gordimer, Günter Grass e John Updike. (Fonte: JN)

Aproveito para divulgar a poesia de Zayra Yves compilada no CD “Crowned Compassion” , dedicada aos zimbabueanos, e que poderia ter lugar neste evento, em Lisboa, não só pelo valor da sua poesia e voz (oiçam o CD), mas também pela sua ascendência portuguesa. A voz é da própria Zayra e é impossível ficar-lhe indeferente  tanto à voz como ao que ela nos diz, depois de ter passado pelo Zimbabwe.

One response to “o grito da poesia contra a opressão

  1. Buena iniciativa; de alguna manera el sol, sale para todos.Muy interesante.¡Felicitaciones!.